Rua do Xisto nº 150,
4475-509 Nogueira Maia

(351) 229 607 021
info@apre.pt

O Reiki e os símbolos

|
Escrito por Sérgio Silveira

 

Sérgio Silveira

Presidente da APRE Associação Portuguesa de Reiki Essencial e fundador da Anastácia Centro de Terapias Alternativas 

www.apre.pt

SÍMBOLOS DE REIKI

No segundo grau do Reiki começamos a trabalhar com símbolos. Com eles podemos canalizar e focar a energia Reiki. É importante tratar os símbolos com respeito e ter uma intenção muito clara ao usá-los. Os símbolos desenham-se com a mão ou mentalmente – visualizando (yantra). Deve-se seguir a sequência e a direção indicadas porque se trata de um fluxo de energia. Cada símbolo tem um nome – um mantra – com um determinado significado. Deve-se dizer três vezes o mantra (em pensamento) porque o mantra é um ativador do símbolo. É normalmente referido no Nível I da maioria das escolas de Reiki, que Mikao Usui, através da pesquisa de antigos sutras budistas, encontrou os símbolos que haviam sido escritos por um discípulo anonimo de Buda, há cerca de 2500 anos. Conhecedor destes símbolos e após jejum no Monte Kurayama, foi-lhe dado a conhecer divinamente, a forma de os utilizar. Sabe-se hoje que tal não se passou assim. Os símbolos foram dos últimos elementos a serem introduzidos por Mikao Usui no seu sistema, devido ao facto dos seus alunos terem alguma dificuldade em conseguirem Ser Reiki. Uma vez que se consegue aprender a focalizar a mente no trabalho com o Reiki, os símbolos acabam por se poder descartar.

Segundo Hiroshi Doi, Mikao Usui não usava os símbolos, mas dizia aos seus alunos:

"Usem bem os símbolos. Usem-nos mais e mais, e descobrir-se-ão num estágio onde já não precisarão deles. A mente humana consegue alcançar qualquer ponto do Universo imediatamente. Precisam de crescer de forma a não precisar mais dos símbolos".

 

Na nossa opinião, e segundo o que entendemos das palavras de Usui, os símbolos são como as rodas laterais duma bicicleta; quando aprendemos a andar de bicicleta, tiramos as rodas laterais, da mesma forma, quando integramos inteiramente o significado de cada símbolo, podemos deixar de os usar. Temos também vindo a verificar que deixar de usar as rodas desta bicicleta pode ser um processo moroso para a maioria das pessoas, pode ser um processo que leva muitos e muitos anos, tudo depende da forma e da frequência com que trabalhamos com a Energia e da forma como usamos essa poderosa ferramenta que é, os Princípios do Reiki. Hoje, os símbolos são uma grande fonte de alegria, mas também de confusão. Isto porque a Sr.ª Takata ensinava aos seus alunos que os símbolos eram secretos e não deviam ser revelados, assim como o Dr. Hayashi disse à Sr.ª Takata que os símbolos não deviam ser mostrados a pessoas não iniciadas em Reiki. Os símbolos tornaram-se assim um dos pilares do Reiki e quase todas as escolas, em todo o mundo, os ensinam sendo considerados sagrados e secretos pela maioria das escolas de Reiki. Em consequência deste secretismo surgiu um grande mito: "estes símbolos são secretos e sagrados e deves guardá-los exclusivamente para ti".

Conjuntamente com este mito, surgiram os altíssimos preços praticados ainda hoje por algumas escolas, detentoras da "versão correta dos símbolos". Curiosamente, segundo Frank Arjava Petter, depois da morte da Sr.ª Takata em 1980, os mestres de Reiki ao juntarem-se, verificaram que muitos tinham símbolos diferentes, ainda que dados pelo mesmo mestre e aí, começaram todos a discutir qual seria o certo. É claro que, todos tinham a "versão certa" e a "versão do outro" não estava correta.

SÍMBOLOS DE OKUNDEN

Outros associaram o Reiki ao Tibete e trouxeram para o sistema de Usui, outros símbolos tibetanos. Hoje há sistemas de Reiki que ensinam 5, 7, 12, algumas dezenas e outras centenas, como o Ken Reiki que ensina 300 e o Shamballa Reiki que se diz detentor de 352 símbolos de Reiki. Absolutamente impressionante! Felizmente que hoje, sobretudo através das investigações de Frank Arjava Petter e sua esposa Chetna Kobayashi, muitos aspectos têm sido clarificados. Um dos aspectos mais importantes neste campo, é que os símbolos originais eram 4; 3 são ensinados aos praticantes do Nível II (Okuden) e 1 reservado ao Nível III (Shinpiden), o último Grau do Reiki, tal como se faz ainda hoje na escola de Reiki de Mikao Usui, a Usui Reiki Ryoho Gakkai. Apesar disto, algumas escolas bastante famosas como Raku Kai Reiki, Reiki Essencial, Blue Star Reiki, Reiki Usui Tibetano, Reiki Tibetano e mesmo alguns mestres das escolas ocidentais mais tradicionais como a Reiki Usui Shiki Ryoho (a da tradição da Sr.ª Takata) ensinam também um 5º símbolo, o Raku (símbolo tibetano), no grau III-B.

Provavelmente já ouviu falar que o Reiki envolve o uso de símbolos. Então, quais são esses símbolos, de onde eles vêm, e para que são usados? Os símbolos aparecem em duas áreas importantes do Reiki: eles aparecem nas "sintonizações" e nos rituais de conexão, e podem ser usadas ao dar um tratamento de Reiki a alguém. Os símbolos do Reiki são ensinados aos alunos para usar no tratamento de outras pessoas. Os símbolos no Reiki são vistos como parte integrante do sistema, por isso acredita-se que só podemos canalizar o Reiki porque estamos em sintonia com os símbolos. Uma vez que os símbolos do Reiki foram originalmente escritos à mão e passados de mestre para discípulo, existem desde então variações na forma como os símbolos são desenhados. Independentemente disso, todos eles funcionam desde que o mestre de reiki os ative na iniciação. Supõe-se que Sra. Takata ensinou a todos os seus mestres o ritual de conexão, mas desde então tem havido muitas mudanças e alterações nos rituais utilizados. Mas não importa o que varia na sintonia, pois todos eles giram em torno de colocar os símbolos no aluno na sua coroa, coração e nas suas mãos. Os primeiros exemplares dos símbolos do Reiki que parecem ter sido postos a disposição dos praticantes são os traços desenhados por um dos alunos de mestrado do Dr. Hayashi, um senhor chamado Tatsumi.

Tatsumi pensa-se que foi o último dos alunos de Hayashi que recebeu o sistema completo como Sensei. Ele nunca iniciou alunos, mas alguns dos seus netos estavam sintonizados como profissionais (todos os 4 símbolos). Sabe-se hoje que a Sra. Takata nem sempre desenhava os símbolos exatamente do mesmo modo para cada dos seus alunos. Após o seu falecimento, houve uma reunião dos Mestres de Reiki com o propósito de eles compararem os seus símbolos, ocasião em que puderam verificar que possuíam símbolos diferentes, ainda que fornecidos pelo mesmo mestre. Os símbolos de Poder dos mestres presentes eram basicamente os mesmos, enquanto os símbolos do Mental/Emocional apresentavam pequenas diferenças, e os símbolos da Distância eram bem diferentes, especialmente no que se referia aos traços na parte inferior. As diferenças oriundas da Sra. Takata se devem ao facto de que ela os tenha desenhado de forma diferenciada para cada aluno, talvez devido a idade ou ainda por não ter percebido. Suposições à parte, como se pode perceber desde o começo, já havia alterações no traçado dos símbolos de um aluno para outro. Junta-se ainda o facto de que os alunos não tinham permissão para fazer cópias dos símbolos tendo que memorizá-los e quando chegava a hora de passá-los, como professores, eles tinham que recorrer à memória, que muitas vezes falhava, o que gerava algumas modificações involuntárias.

Consequentemente surgiu uma verdadeira concorrência entre diversas escolas de Reiki que se diziam detentoras da "correta versão" dos símbolos. Contudo, todos que receberam a sintonização possuem símbolos que funcionam e, consequentemente, o poder dos símbolos não vem do facto de desenhá-los perfeitamente, mas sim da ligação que é estabelecida entre o símbolo que o aluno aprende na aula, e as energias da sintonização que o aluno recebe durante a sintonização Reiki.  A maneira correta de se desenhar os símbolos corresponde ao modo pelo qual o Mestre de Reiki os desenhou para o aluno, e os utilizou durante a sua sintonização. O poder dos símbolos reside na ligação entre eles e a energia Reiki que ocorre durante a sintonização. Embora pequenas mudanças em algumas das linhas dos símbolos possam criar diferenças entre as diversas escolas de Reiki, os símbolos que os alunos receberam do seu Mestre são, para eles, os símbolos certos, mesmo que eles sejam diferentes dos que outros estejam usando. Surgiram também especulações relativas à origem dos símbolos, como também quanto ao seu número. Segundo a mestra Diane Stein havia, em épocas passadas, cerca de 300 símbolos de Reiki, dos quais 22 eram normalmente utilizados. Hoje, são utilizados apenas 5 num sistema unificado que compõem os níveis II e III do Reiki, reconhecidos pelos mestres. Segundo a versão tibetana, são reconhecidos e ensinados 6 símbolos.

Os símbolos foram, na verdade, criados a partir do kanji japonês o que significa que eles são simplesmente palavras da língua japonesa cujos nomes podem ser encontrados num dicionário japonês/inglês. Podem ainda ser formados por uma combinação de sânscrito e kanji japonês, prática comum dos budistas japoneses, o que às vezes é utilizada nas suas escrituras e símbolos sagrados. Os símbolos utilizados na cura à distância derivam do kanji japonês, tanto no nome quanto no modo como eles são desenhados. Além disto todos os símbolos tradicionais derivam de outras formas da cultura japonesa e podem ser encontrados tanto nos seus livros espirituais como em templos. Podemos perceber que os símbolos do Reiki de Usui não são exclusivos para o Reiki de Usui. Eles já existiam antes de o Usui os utilizar.

 

Texto escrito por Sérgio Silveira, e retirados do livro "Reiki Essencial o Manual dos Mestres" - www.reikiessencial.com

 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Categoria: