Rua do Xisto nº 150,
4475-509 Nogueira Maia

(351) 229 607 021
info@apre.pt

Documentos Normas Gerais Reiki (APRE-DNGSR-2011)

|
Escrito por APRE
Este documento com a referencia APRE-DNGSR-2011 aborda as definições gerais sobre o Reiki Essencial que todo o associado deve saber. Definimos neste documento diversos definições técnicas do Reiki - o que é o Reiki, um Reikiano, um Terapeuta, um Praticante de Reiki, um Terapeuta de Sincronicidade, Paciente/utente, Terapia de Reiki, Intuição, Meditação, Mikao Usui, Ki, Terapeuta Holístico, Karma, Os 5 Princípios do Reiki, Mestre de Reiki, Símbolos, Bio-energia, Sintonização, iniciação, Harmonização e Graus de Reiki. Quando falamos dessas palavras temos que entender os seus significados e origens de forma a normalizar entre os praticantes de Reiki estes conceitos. Sendo assim abordamos as suas definições que serão fruto de atualizações, mas que farão parte das normas gerais sobre o Reiki dos associados.    
 

FAÇA AQUI O DOWNLOAD DO TEXTO

APRE-DNGSR-2011

Documento Normas Gerais Sobre o Reiki Essencial

16 páginas - documento aprovado pela Direção da APRE

Criado em 09/11/2011

 

CONTRIBUTO DOS ASSOCIADOS:

Sérgio Silveira - associado APRE-00001-PT

Conceição Pereira - associada APRE-00002-PT

 

Com a colaboração dos associados:

Hélder Castro - associado APRE-00030-PT

Isabel Maria David - associada APRE-00204-PT

Denis Alves - associado APRE-00140-PT

Orquídea Nogueira - associada APRE-00080-PT

Helga Paiva - associada APRE-00004-PT

Lurdes Alves - associada APRE-00028-PT

 

APRE-DNGSR-2011

TS - Terapia de Sintonização ou Bioenergia – REIKI - Boas Práticas

 

SUMÁRIO

Norma Técnica Terapia de Reiki 

APRE-DNGSR-20111 - DOCUMENTO NORMAS GERAIS SOBRE O REIKI 

 

APRESENTAÇÃO

Uma norma técnica (ou padrão) é um documento, normalmente produzido por um órgão oficialmente acreditado para tal, que estabelece regras, diretrizes, ou características acerca de um material, produto, processo ou serviço. A obediência a uma norma técnica, tal como norma ISO ou ABNT, quando não é referendada por uma norma jurídica, não é obrigatória.

A auto-regulamentação do Reiki pressupõe uma atitude voluntária dos profissionais e praticantes na base de uma consciência prática e madura da necessidade da autodisciplina que abrangerá os pontos básicos, estabelecendo regras éticas e técnicas de actuação, tais como normas técnicas, condutas éticas, os quais deverão ser cumpridos não por força de Lei, mas sim, por força contratual que se estabelece por ocasião da filiação espontânea de cada associado junto à entidade auto-regulamentadora. Ao contrário do que ocorre nas profissões regulamentadas por lei, onde um associado pode ser punido até mesmo com a cessação do seu direito ao exercício profissional, as entidades auto-regulamentadoras limitam-se a aplicar sanções estatutárias aos seus associados espontaneamente filiados e, quando muito, excluir um associado da associação.

As entidades auto-regulamentadoras divulgam através dos jornais, internet e televisão os seus regulamentos à sociedade a qual, esclarecida, espontaneamente dá preferência aos serviços e produtos que se enquadrem voluntariamente às regras internas da organização. O reconhecimento ao enquadramento é tornado público através do reconhecimento na página oficial, certificados técnicos e cartões de associados aos serviços e profissionais. Mesmo sem obrigatoriedade legal, este reconhecimento torna-se um diferencial muito favorável a quem o obtém, que passa a ser favorecido pela "lei de mercado". No final, foram acrescidos anexos informativos que apresentam dados adicionais a servirem de apoio para um melhor entendimento do contexto que norteou a elaboração da DNGSR, além de facilitar a compreensão das suas aplicações práticas.

 

VISÃO GERAL

O Reiki é um método de tratamento criado por Sensei Mikao Usui no Japão, no início do século XX. O Reiki é uma energia de cura natural, que atua em todos os níveis, não apenas o físico, e é entendido como recuperador da capacidade de auto regeneração do organismo, diminuindo a dor, aumentando o bem-estar e acelerando a cicatrização de feridas, entre outros benefícios já identificados. É conhecido como uma técnica não-invasiva, e é usado holisticamente para restaurar o equilíbrio na pessoa. Todos os praticantes desta terapia terão de assegurar que a prática desta terapia reflete o Código Ético para Terapeutas de Reiki Essencial (APRE-CETRE-0610), como a informação técnica atualizada e as políticas de segurança para o utente e o terapeuta.

Devemos lembrar que esta atividade pode e dever ser inscrita com o código CAE, atribuído aos praticantes de Reiki (96093 - Outras atividades de Serviços)

 

1. COMPREENSÃO DO PRATICANTE

Os conceitos filosóficos, espirituais, e de desenvolvimento emocional, mental, espiritual, físicos que são coerente com a prática do Reiki, também como os princípios e teorias subjacentes a esta terapia devem ser de entendimento dos seus praticantes.

 

1.1 As bases e princípios do Reiki.

1.2 A origem da história do Reiki, e o desenvolvimento das técnicas aplicadas.

1.3 A importância do auto-tratamento constante nos praticantes.

1.4 A aplicação do Reiki de acordo com a linhagem e ensinamentos adquiridos.

1.5 Entendimento de como funciona o fluxo e a energia do Reiki.

1.6 As diversas formas de imposição das mãos (sobre o corpo, mãos junto ao corpo e a distância).

1.7 A importância de explicar o que é o Reiki para o paciente/utente.

1.8 Entender que não se conhecem contraindicações no Reiki mas que, no entanto, devemos avisar das reações iniciais pós curas que possam a vir a acontecer.

1.9 Necessidade de compreender e estudar o Reiki, antes de ser aplicado num contexto profissional;

1.9.1 Compreender que o Reiki pode beneficiar também a aplicação nos animais, e plantas.

1.9.2 Entender a relação da terapia complementar do Reiki com outras técnicas de saúde.

1.9.3 Conhecer diversas técnicas, e aplicar as mais adequadas consoante às necessidades do paciente/utente.

1.9.4 Pesar os diversos fatores dos pacientes/utentes, incluindo o seu historial na saúde, o seu nível físico, emocional, mental e espiritual, como ainda quaisquer condições específicas e tratamentos que lhe foram recomendados por Médicos ou outros terapeutas.

1.9.5 Apoiar o paciente/utente a fazer escolhas certas.

1.9.6 O papel importante que o paciente/utente e as pessoas à sua volta podem contribuir para um processo equilibrado da terapia.

1.9.7 Reconhecer que o Reiki não pode tratar todas as doenças, sendo por isso incompleta, e o paciente/utente poderá necessitar de aconselhamento junto de outros terapeutas ou profissionais de saúde. 

1.9.8 Avaliar as mudanças no paciente/utente após uma sessão de cura e usar essa informação para a construção da ficha de cliente APRE-0105-2010.

1.9.9 Avaliar a eficácia e adequação da terapêutica de Reiki com o paciente/utente e se deve continuar o tratamento.

1.2.0 Verificar se os resultados da terapia de Reiki, tiveram respostas ao nível da cura física, emocional, mental e espiritual.

1.2.1 Deve saber localizar a estrutura de uma pessoa (o esqueleto e as funções e localização dos principais órgãos).

1.2.2 Existem diversas circunstâncias em que o praticante pode optar por não aceitar um paciente/utente:

1.2.3 O paciente/utente não deseja receber o Reiki;

1.2.4 O praticante não desejar aplicar o Reiki;

1.2.5 O paciente/utente tem uma doença física grave que necessidade urgente de ser avaliado por um médico especialista.

1.2.6 Determinadas circunstâncias em que o praticante não deve aceitar um paciente/utente:

1.2.7 O terapeuta não tem a experiência necessária ou especialização para tratar esse problema (deve saber encaminhar para outro terapeuta).

1.2.8 Caso a origem da doença do paciente/utente deva primeiro ser consultado por um médico especialista.

 

2. CONDIÇÕES DO LOCAL DO PRATICANTE

2.1 Ter sempre disponível para consulta o código ético para terapeutas e outros documentos legais, necessários à sua prática.

2.2 Garantir que todos os equipamentos e materiais para a prática de Reiki estão em boas condições para uso profissional.

2.3 O praticante de Reiki deve ser capaz assegurar que o local da prática atende às necessidades dos pacientes/utentes.

2.4 Providenciar o melhor conforto possível ao paciente/utente.

2.5 Preparar-se adequadamente tanto fisicamente, emocionalmente e espiritualmente para a prática do Reiki.

2.6 Compreender e lidar com a resposta do paciente/utente ao Reiki.

2.7 Praticar em segurança as técnicas aplicadas, e fazer os ajustes apropriados para atender todas as necessidades do paciente/utente.

2.8 Assegura-se do bem-estar do paciente/utente geral, e dar garantias de auxílio em caso de necessidade.

2.9 Prestar informações claras e precisas em relação a qualquer acompanhamento que possa haver à posterior, desde que dentro das suas competências profissionais.

 

3. INTRODUÇÃO

O REIKI conta com uma vasta bibliografia e grande aceitação no nosso país, tendo sofrido interpretações divergentes quanto à sua correta utilização. Esta norma define alguns princípios básicos para as boas práticas de Reiki e de ensino que nortearão a auto-regulamentação da Terapia de Reiki no tocante à Terapia de Sintonização - REIKI.

 

4. ELEMENTOS NORMATIVOS GERAIS

4.1 Título

REIKI — Boas práticas para utilização e ensino

 

4.2 Objetivo

Definir a adequação padrão da utilização e ensino.

 

4.3 APRE-PAF-082011 Plano de Ação na Formação de Reiki Essencial

4.4 APRE-CETRE-0610 Código Ético para Terapeutas de Reiki Essencial

4.5 APRE-DNGSR-2011 Documento Normas Gerais sobre o Reiki Essencial 

4.6 APRE-PAC-072011 Plano de Ação na Cura 

 

5. ELEMENTOS DE DEFINIÇÕES TÉCNICAS

5.1 Definições

5.1.1 REIKIANO: é uma pessoa que aderiu ao Reiki através de um processo de iniciação (Shoden, grau I), dado por um Mestre de Reiki presencialmente. Esta pessoa aprendeu a usar a energia Ki para curar e harmonizar os seus bloqueios e dores. Distingue-se dos demais terapeutas por usar as mãos no contacto com o paciente, e diversas técnicas aprendidas num curso de Reiki. A pessoa depois de se tornar Reikiano transforma-se inteiramente, passa a ver o mundo e as pessoas de forma diferente, muda os seus valores existenciais, entende que a compaixão e a amizade são necessárias na nossa evolução, e passa a praticar de uma forma mais efetiva tudo o que foi aprendido. Consegue beneficiar com o Reiki de uma paz interior e exterior contínua para si próprio. Além disso, a cada nova sintonização (cada grau) a aura do Reikiano vai se ampliando, proporcionando inúmeros benefícios na sua saúde. O Reikiano é um canal da energia Reiki, e é o recetor que deve fazer uso da energia recebida para curar-se. Qualquer pessoa pode ser um Reikiano, bastando para isso ter dedicação, compaixão e disponibilidade para canalizar a energia. Ser Reikiano não é só aplicar a energia universal (Reiki) conscientemente, mas aplicá-la em cada passo do seu caminho, experienciando a energia da melhor forma possível para si, na sua interação com o mundo. Podemos com isto dizer que um Reikiano é aquele que trabalha com as mãos para curar, a mente com sabedoria, a inspiração como um artista, a técnica como um profissional, a intuição como um místico e com o coração na ajuda do próximo. 

Isto é um Reikiano. Todos estes elementos têm de estar de acordo com a qualificação técnica estabelecida com o código APRE-CETRE-0610- Código Ético para Terapeutas de Reiki Essencial. 

 

5.1.2 PRATICANTE DE REIKI: a mesma definição que um Reikiano.

 

5.1.3 TERAPEUTA DE REIKI: é aquele que recebeu uma iniciação presencial por um Mestre de Reiki qualificado para tal. Distingue-se dos demais praticantes de Reiki por ter alcançado o grau 2 (Okunden) e atuar junto aos seus pacientes utilizando o REIKI, e nalguns casos sem a obrigatoriedade do contacto físico direto, e em determinadas situações nem sequer é necessária a presença do mesmo. O Terapeuta de Reiki não faz diagnósticos, nem age diretamente em doenças específicas, mas integra-se no processo de recuperação da saúde do paciente, tornando mais ágil e efetivo esse processo. 

Da mesma forma, para o REIKI é desnecessária qualquer anamnese (é uma entrevista realizada pelo profissional de saúde ao seu paciente, que tem a intenção de ser um ponto inicial no diagnóstico de uma doença) prévia do quadro do paciente, pois a sua forma de aplicação é independente dessa informação. Este profissional faz uso terapêutico da Energia Vital Universal com a proposta de harmonização e ampliação da qualidade de vida, além disso acalma a mente, evolui o espírito, melhorando a vida do ser humano. Quem a recebe, percebe modificações profundas em todo o seu organismo, que passa a funcionar com muito mais vigor, saúde e equilíbrio. O Terapeuta de Reiki interage com o paciente aconselhamento a mudanças em determinadas áreas, sendo as mais comuns: comportamento, elaboração da realidade e das preocupações, necessidade de ter uma capacidade de ser bem-sucedido nas situações da vida, além de conhecimento e habilidade para tomada de decisões pessoais. Todos estes elementos têm de estar de acordo com a qualificação técnica estabelecida com o código APRE-CETRE-0610- Código Ético para Terapeutas de Reiki Essencial.

 

5.1.4 MESTRE DE REIKI: é aquele que recebeu uma iniciação presencial por um Mestre de Reiki qualificado para tal. Alcançou por mérito o grau 3 (Shinpiden), e pode realizar iniciações aos outros. Segundo a tradição japonesa, uma pessoa que tenha os conhecimentos do Shinpiden, é um instrutor ou professor (Sensei) de Reiki que sabe fazer os processos de iniciação em Reiki, não tendo qualquer conotação de hierarquia ou de poder sobre quem inicia e ensina. Um Mestre de Reiki faz do Reiki uma prática diária, segue a cada momento os princípios do Reiki. Um Mestre de Reiki não se sente mais elevado ou superior perante os seus alunos ou outras pessoas, mas imensamente grato por poder partilhar a energia do Reiki na Terra e poder contribuir para que, mais pessoas descubram o seu caminho para a iluminação (Satori) através do Reiki tal como ele o fez. Atua junto dos seus pacientes utilizando o REIKI, e nalguns casos sem a obrigatoriedade do contacto físico direto, e em determinadas situações nem sequer é necessária a presença do mesmo. 

O Mestre de Reiki não faz diagnósticos, nem age diretamente em doenças específicas, mas integra-se no processo de recuperação da saúde do paciente, tornando mais ágil e efetivo esse processo. Da mesma forma, para o REIKI é desnecessária qualquer anamnese (é uma entrevista realizada pelo profissional de saúde ao seu paciente, que tem a intenção de ser um ponto inicial no diagnóstico de uma doença) prévia do quadro do paciente, pois a sua forma de aplicação é independente dessa informação. Este profissional faz uso terapêutico da Energia Vital Universal com a proposta de harmonização e ampliação da qualidade de vida, além disso acalma a mente, evolui o espírito, melhorando a vida do ser humano. Quem a recebe, percebe modificações profundas em todo o seu organismo, que passa a funcionar com muito mais vigor, saúde e equilíbrio. 

O Mestre de Reiki interage com o paciente aconselhamento a mudanças em determinadas áreas, sendo as mais comuns: comportamento, elaboração da realidade e das preocupações, necessidade de ter uma capacidade de ser bem-sucedido nas situações da vida, além de conhecimento e habilidade para tomada de decisões pessoais. Todos estes elementos têm de estar de acordo com a qualificação técnica estabelecida com o código APRE-CEMRE-0410-Código de Ética para Mestres de Reiki Essencial.

 

5.1.5 MESTRE DE REIKI INDEPENDENTE: aquele que, estando igualmente de acordo com a qualificação técnica estabelecida no código APRE-CEMRE-0410-Código de Ética para Mestres de Reiki Essencial, optou por não se manter filiado a nenhuma associação de REIKI.

 

5.1.6 TERAPEUTA EM SINCRONICIDADE OU DE SINTONIZAÇÃO - a mesma definição que um Terapeuta de Reiki.

 

5.1.7 BIOENERGIA - É uma palavra de origem no idioma grego (bio = vida), (en-ergo = energia), (logos = estudo), é uma proposta científica aberta que estuda as diferentes formas de energias existentes na natureza e que vitalizam os seres vivos.

Os estudos têm sido conduzidos ao longo de 20 anos pelo Instituto Medeiros de Pesquisas Avançadas no Brasil, de maneira sistematizada, procurando a comprovação científica e laboratorial com destaque para a manifestação das seguintes energias que vitalizam a natureza orgânica. As descobertas realizadas pelo Instituto, ao longo destes 20 anos, não publicadas em revistas científicas indexadas revisadas por pares, procuram determinar novas diretrizes para a compreensão da manifestação humana, proporcionando um novo enfoque existencial. Novos conceitos e parâmetros sobre saúde emergiram para maior compreensão da existência humana. A Bioenergologia área que estuda a bioenergia, procura abordar o assunto de forma séria e científica, pois muitos utilizam o conceito de energia de forma arbitrária. Dessa forma, procura evidências de que plantas, fungos, bactérias, animais e seres humanos reagem a diferentes tipos de energia. Também explicaria conceitos como energia orgônica e o funcionamento de duas formas de bioenergias (energias vitais e letais).

 

5.1.8 PACIENTE/UTENTE - usuário de serviços de Terapia de Reiki, em pleno gozo das suas faculdades mentais que, a seu juízo, ou, quando for o caso, mediante aconselhamento médico ou de outros, aceite a aplicação de Reiki e o trabalho terapêutico apresentada por um profissional de Reiki.

 

5.1.9 TERAPIA DE REIKI: é uma combinação de vários métodos terapêuticos alternativos. Aplica-se um pouco de naturopatia, aromaterapia, meditação, cura religiosa, e muitos desses processos ajuda a resolver bloqueios e tensões de uma pessoa. Mas, é o conceito de transferência de energia para trazer o equilíbrio de forças para recuperar o equilíbrio, é o que faz com que esta terapia milenar japonesa seja única e imensamente popular. Existem alguns efeitos básicos numa terapia de Reiki que devemos salientar. Para a terapia funcionar com sucesso, tanto o profissional de Reiki e o paciente devem participar ativamente neste processo. O profissional de Reiki deve enviar a energia e o recetor deve estar preparado para aceitá-la abertamente. A aplicação da terapia de Reiki pode obter maiores ou menores resultados dependendo da maior concentração e dedicação do profissional de Reiki. Não há nenhum risco envolvido na terapia de Reiki para ambos. O recetor pode restringir a entrada da energia positiva, o que não causará nenhum efeito para a pessoa negativo. A terapia de Reiki pode trabalhar juntamente com qualquer outro medicamento ou terapia. 

 

5.1.10 PROFISSIONAL DE REIKI - a mesma definição que um Mestre de Reiki.

 

5.1.11 VIVÊNCIAS OU INTUIÇÃO: termo utilizado na terapia de Reiki é um processo pelo qual os humanos passam, às vezes e involuntariamente, para chegar a uma conclusão sobre algo. Significa "lampejos" repentinos de uma consciência maior (quer seja sob a forma de lembranças ou de imagens simbólicas a serem decifradas) que possibilita apreender na forma de síntese uma série de fatores até então não compreendidos. 

Acontecem após o recebimento da Terapia de Reiki realizada individualmente ou em grupo, e leva a estados profundos de autoconsciência, e desse modo, permitir o aflorar tanto de emoções reprimidas, lembranças traumáticas e sonhos, quanto o despertar de uma sabedoria interior e intuitiva no paciente, capaz de orientá-lo na tomada de decisões ou, até mesmo, na resolução de questões de saúde.

Neste processo, o raciocínio que se usa para chegar a conclusão é puramente inconsciente, facto que faz muitos acreditarem que a intuição é um processo paranormal ou divino. O seu funcionamento e até mesmo a sua existência são um enigma para a ciência. Apesar de já existirem muitas teorias sobre o assunto, nenhuma é dada ainda como definitiva. A intuição ou a vivência leva que a pessoa acredite com determinação que algo poderá acontecer.

 

5.1.12 MEDITAÇÃO OU RELAXAMENTO: vários métodos são utilizados para a obtenção de um relaxamento total do corpo e mente. A meditação encontra-se no meio de dois polos; a concentração e a contemplação. É associada as religiões orientais. Há dados históricos comprovando que ela é tão antiga quanto a humanidade. Não sendo exatamente originária de um povo ou de uma região, desenvolveu-se em várias culturas diferentes e recebeu vários nomes. Floresceu no Egipto (o mais antigo relato), Índia, entre o povo Maia, Japão, Índia, etc. Apesar da associação entre as questões tradicionalmente relacionadas à espiritualidade e essa prática, a meditação pode também ser praticada como um instrumento para o desenvolvimento pessoal num contexto não religioso. A meditação ou relaxamento costuma ser definida como um estado que é vivenciado quando a mente se torna vazia e sem pensamentos; na prática de focar a mente em um único objetivo; uma abertura mental para o divino, invocando a orientação de um poder mais alto, ou a análise racional de ensinamentos religiosos.

 

5.1.13 ACONSELHAMENTO OU ORIENTAÇÃO: Na cultura anglo-saxônica, o termo aconselhamento ("counseling") é utilizado para designar um conjunto de práticas que são tão diversas quanto as que configuram as práticas de: orientar, ajudar, informar, amparar, tratar.  Este termo define o aconselhamento como " uma relação na qual uma pessoa tenta ajudar uma outra a compreender e a resolver problemas aos quais ela tem que enfrentar ". É um processo interativo, caracterizado por uma relação única entre o profissional de Reiki e o paciente, levando este ao autoconhecimento e a mudanças em várias áreas, sendo as mais comuns: comportamento, elaboração da realidade, preocupações com a mesma, incremento na capacidade de ser bem-sucedido nas situações da vida, além de conhecimento e habilidade para tomada de decisões. O aconselhamento e orientação filosófica visa, no plano pessoal, enfrentar os dilemas morais, os conflitos éticos, as crises de sentido, valor ou identidade, os desencontros entre a razão e as emoções. O aconselhamento filosófico é a «terapia dos saudáveis». Ter problemas é normal, E as desordens emocionais não são necessariamente doenças e «não há nada mais prático do que uma boa teoria».

 

5.1.14 MIKAO USUI: Mikao Usui nasceu a 15 de Agosto de 1865 e faleceu a 9 de Março de 1926, também é conhecido no Japão como Sensei Usui, é considerado o fundador do Reiki no mundo. Até meados da década de 1990 pouco se sabia sobre a sua biografia, nem mesmo as datas de nascimento e de falecimento. Mikao Usui era entre outras coisas, um monge budista. 

Nasceu no Japão numa pequena Vila designada Taniai, Distrito de Yamagata, Prefeitura de Gifu. Segundo diversas investigações Usui estudou Kiko (a versão japonesa do Chi Kung – uma arte oriunda da China para melhorar a saúde através de meditação, exercícios de respiração e exercício em movimento) quando era jovem, num templo de Budismo Tendai, no Monte Kurama, Norte de Kyoto. Nas práticas do Kiko usa-se a própria energia vital para a cura de outras pessoas, ficando o doador dessa energia, desvitalizado. Algo que não foi do agrado do Mikao Usui e que lhe terá feito nascer a semente daquilo que hoje conhecemos como Reiki. 

Usui viajou depois por todo o Japão, China e Europa em busca de conhecimento nas áreas da medicina, psicologia, religião e desenvolvimento espiritual. Numa dessas etapas, juntou-se a um grupo designado Rei Jyutu Ka, onde a sua formação acerca do mundo espiritual foi fortificada. Todo o intenso e continuado interesse no conhecimento teriam criado as fundações da incrível bênção que deixou à humanidade.

A sua formação e clareza mental ajudaram-no a conseguir um emprego como secretário de Shinpei Goto, então responsável de um Departamento de Saúde e Bem-estar e mais tarde Presidente de Kyoto. Aqui, Usui conheceu muitas pessoas influentes de todo o Japão tendo iniciado um negócio por conta própria com bastante sucesso. Em 1914, o negócio começou a correr mal e Usui decidiu tornar-se monge budista. Voltou mais tarde ao Monte Kurama, onde tinha estado a estudar Kiko quando era jovem. Usui iniciou então um retiro de vinte e um dias onde jejuou, cantou, orou e meditou. Uma dessas meditações poderá ter sido ficar debaixo de uma cascata do Monte Kurama com a água a cair sobre a cabeça, para abrir e purificar o "chakra da coroa", uma prática que é efetuada ainda hoje pelos monges do Templo Kurama. No final do retiro, em Março de 1922, Mikao Usui teve a sua experiência de Satori (Iluminação) onde aprendeu a forma correta de utilizar a energia vital (ki) para a cura sem ficar desvitalizado. Usui aplicou então a energia em si próprio e depois na sua família, tendo aberto em Abril de 1922 a escola que ainda hoje existe, Usui Reiki Ryoho Gakkai, em Tóquio. Hoje essa técnica é denominada de Reiki.

 

5.1.15 KI OU ENERGIA VITAL: KI é um conceito fundamental da cultura tradicional Japonesa. O termo KI (QI) pode ser associado de um modo bem amplo ao conceito ocidental de energia. É frequentemente traduzido como "ar" ou "respiração", e conceções filosóficas do KI são encontradas desde o início da história registada do pensamento Japonês e Chinês. Referências ao KI ou conceitos filosóficos semelhantes relativos a um tipo de energia metafísica que permeia e sustenta os seres vivos são encontradas em vários sistemas de crenças, presentes em culturas de todo o mundo, especialmente na Ásia. Apesar do conceito do KI ser muito importante em diversas filosofias orientais, a sua descrição é variada e inclui aspetos de conflito entre as diferentes versões. Algo natural considerando-se os milhares de anos, os diversos países e grupos sociais que participam da elaboração desta tradição. Uma questão significativa é a de se o KI existe como uma força separada da matéria, se o KI surge a partir da matéria ou se a matéria surge do KI. Alguns budistas e taoistas são a favor do terceiro conceito, alguns budistas acreditam que a matéria é uma ilusão. 

Na Medicina Tradicional Japonesa e Chinesa afirmam que o corpo tem padrões naturais de KI que circulam por canais denominados meridianos em Português. Não é possível entender completamente o conceito de KI nas Medicinas Tradicionais Japonesa e Chinesa sem compreender também o conceito de Yin e Yang. Sintomas de diversas doenças são atribuídos a bloqueios, desequilíbrios e ruturas no movimento da energia vital através dos meridianos, assim como às deficiências e desequilíbrios do KI nos vários órgãos. Na Terapia de Reiki geralmente procura-se aliviar estes desequilíbrios ajustando a circulação do KI no corpo empregando diversas técnicas terapêuticas.

 

5.1.16 REIKI: Não é fácil definir o que é Reiki. Qualquer pessoa que o tente definir decerto hesitará numa resposta pronta e objetiva. O Reiki vai muito para além daquilo que podemos compreender dele e todas as definições correm o risco de se tornarem redutoras dada a grandiosidade deste sistema. De uma forma simples, poderia defini-lo como um método de cura natural que funciona através da imposição das mãos onde um profissional de Reiki aplica a Energia Vital Universal a um recetor, proporcionando-lhe um equilíbrio energético a todos os níveis (físico, emocional, mental e espiritual). Muitas definições e tentativas de racionalização do que é a energia do Reiki foram já tentadas, no entanto, a melhor resposta e a melhor definição é aquela que é dada pelo corpo humano ao receber essa Energia: “uma sensação indescritível” e, por isso mesmo, não tem palavras.

Da palavra Japonesa REI = Universal e KI = Energia Vital é a terapia energética da ativação e da aplicação da Energia Vital Universal, para promover o equilíbrio energético, prevenção das disfunções e para proporcionar maior qualidade de vida. Um termo exclusivo aos que se iniciaram segundo os preceitos estabelecidos por Mikao Usui e os seus discípulos. A palavra Reiki (pronúncia ray-key) é uma prática espiritual desenvolvida pelo budista japonês Mikao Usui. O ensino foi continuado e adaptado por vários professores. Esta técnica usa as palmas das mãos como processo de cura. Através da utilização desta técnica, os Reikianos conseguem a transferência de energia de cura na forma de KI através as palmas das mãos. É classificada como um terapia complementar, e é por vezes classificada como medicina oriental por alguns organismos profissionais. Existem dois principais ramos do Reiki, referidos como Reiki Tradicional Japonês e Reiki Ocidental. Dentro de ambas as formas tradicionais e ocidentalizada de Reiki, há três graus de ensino.

O Reiki é um método simples, natural e seguro de cura espiritual e autoaperfeiçoamento que todos podem usar.  Tem sido eficaz para ajudar praticamente todas as doenças conhecidas, e também trabalha em conjunto com todas as outras técnicas médicas ou terapêuticas convencionais para aliviar os efeitos colaterais e promover a recuperação. Uma técnica simples de aprender, e a capacidade de usar o Reiki não é ensinado no sentido usual, mas é transferido para o aluno durante uma iniciação de Reiki. Essa habilidade é passada durante uma iniciação presencial dada por um Mestre de Reiki, e permite que o aluno se ligue a uma energia vital continua para melhorar a saúde e melhorar a qualidade de vida. O seu uso não depende da nossa capacidade intelectual ou desenvolvimento espiritual e, portanto, está disponível para todos. O Reiki é de natureza espiritual, e não é uma religião.  Não tem nenhum dogma, na verdade o Reiki não depende da crença individual ou coletiva e funciona independente das crenças. Entrar no mundo do Reiki, é começar a viver numa aventura apaixonante de constantes descobertas interiores, sensações, sentimentos, é iluminar o amor e compaixão que reside no coração dos seres humanos e compreender que somos todos UM. Até aos tempos atuais concluiu-se pelas organizações médicas que "as provas são insuficientes para sugerir que o Reiki é um tratamento eficaz para qualquer condição. Portanto, o valor do Reiki permanece não comprovado."

 

5.1.17 INICIAÇÃO DE REIKI, todas as iniciações têm de ser vividas e sentidas e não podem ser descritas de uma forma racional. Ninguém sabe exatamente porque e como a iniciação em Reiki funciona, seja ela com a combinação das mãos, da respiração ou do controle da Kundalini terão um efeito tão profundo nas nossas vidas. Existem diferentes técnicas para dar iniciações de Reiki, e todas elas eficientes. Os rituais de iniciação no Reiki servem para sintonizar as energias do estudante e permitirem-lhe o acesso a um fluxo contínuo de energia Reiki. O Mestre submete cada estudante individualmente a este ritual, usando os símbolos sagrados descobertos pelo Sensei Usui e mantras, ou vibrações sonoras que representam os símbolos. Essa iniciação é feita pela imposição das mãos em forma de uma concha, visualizando símbolos (secretos) entrando no corpo da pessoa. O estudante habitualmente senta-se e fecha os olhos enquanto o Mestre o inicia em silêncio. Ele exerce a sua concentração nos chakras, os sete chakras de energia que se encontram no corpo humano, e invoca os símbolos, silenciosamente repetindo os mantras. Este processo criará uma vibração energética que ajuda a equilibrar e alinhar os chakras e a alterar o fluxo da energia no corpo. Uma vez que a energia curativa é Universal e existe à nossa volta, cada pessoa têm já uma relação com ela. Os rituais de iniciação visam reforçar justamente esta relação já existente e criar um acesso permanente à força energética vital. Após esta iniciação a pessoa não precisa passar novamente por este processo para melhorar ou recuperar os seus canais de energia. A pessoa passa por uma grandiosa transformação, tornando-se diferenciada das outras. Esta transformação permanece por toda a vida.

Os estudantes vivem esta fase de diferentes maneiras, com sentimentos que vão da paz a alegria à visualização dum espectro de cores. Há quem apenas sinta alívio pela libertação de emoções ou um bem-estar e uma harmonia gerais. Estes rituais de iniciação são uma componente essencial do Reiki e representam uma diferença significativa entre o Reiki e todas as outras formas de cura. O Reiki não deve ser visto como substituto de qualquer tratamento médico, hospitalar ou psiquiátrico, mas sim como complementar dessas mesmas terapias.

 

5.1.18 SIMBOLOS DE REIKI, correspondem aos cinco níveis da mente. Juntos, eles eliminam a dualidade mente-matéria, desintegrando o ego para alcançar os níveis mais altos ao final do caminho da iluminação (Nirvana Budista). Uma vez alcançado esse estado, o ser não tem mais a necessidade da reencarnação. O uso original dos símbolos não foi para a cura (material), mas para Iluminação da ajuda ao próximo - os cinco níveis de sabedoria que culminam na Iluminação. Sabemos que os símbolos foram dos últimos elementos a serem introduzidos por Mikao Usui no seu sistema, devido ao facto dos seus alunos terem alguma dificuldade em conseguirem sentir o Reiki. Eles foram os pilares do Reiki até à morte da Sra. Takata. Com o aparecimento da Diane Stein foi introduzido mais um símbolo na iniciação, separando assim do Reiki Tradicional. Os símbolos são: Cho-Ku-Rei (definição dada pelo Reiki, o interruptor de luz), Sei-Hei-Ki (definição dada pelo Reiki, cura emocional, purificação, limpeza, proteção), Hon-Sha-Ze-Sho-Nen (definição dada pelo Reiki, cura do passado, do presente, do futuro; cura do karma e cura à distância), Dai-Ko-Myo (definição dada pelo Reiki, cura da alma e do espírito) e Raku (definição dada pelo Reiki, o raio de luz, conclusão e integração).

 

5.1.19 SINTONIZAÇÃO DE REIKI, é um processo pelo qual o profissional de Reiki coloca o aluno ou paciente na frequência da energia com a qual ele precisa ou que irá trabalhar a partir daí. O que se dá é simplesmente uma transferência de energias entre o profissional de Reiki e o recetor, de forma a equilibrar as energias em défice. As sintonizações afetam cada pessoa de forma diferente, dependendo do seu momento e do seu padrão vibratório. Após uma sessão de Reiki e durante os dias seguintes, mudanças podem acontecer para permitir um equilíbrio entre o corpo físico, emocional e mental. Essas mudanças acontecem metafisicamente nos seus chakras e na sua aura, e também no corpo físico. De forma a facilitar o fluxo da energia de Reiki no nosso corpo durante e após uma sintonização de Reiki, recomenda-se dar tempo ao nosso corpo para as energias fluírem e reporem os défices energéticos. 

 

5.1.20 HARMONIZAÇÃO DE REIKI, o mesmo que sintonização.

 

5.1.21 GRAUS OU NIVEIS DE REIKI, foi o legado de Mikao Usui que nos deixou de forma a ensinar o Reiki de forma faseada aos alunos. Os três graus de Reiki que devem ser mantidos intactos na sua essência, permite em cada nível que seja ativado determinada energia, e consequentemente uma fase de adaptação a essa energia. Entretanto, devido às influências das correntes ocidentais e acréscimos inseridos no sistema original de Mikao Usui, algumas técnicas foram retiradas, outras inseridas e os níveis sofreram alterações em conteúdo e em número de estágios. Mas pelo método original do Reiki, os três níveis dividem-se da seguinte forma: Shoden (são os primeiros ensinamentos, focados principalmente no corpo físico, nos princípios do Reiki e na auto-cura. Corresponde ao grau de iniciado). Okuden (ensinamentos mais profundos, com foco nas estruturas mentais, emocionais e espirituais, pois quando essas estruturas estão em desarmonia, impedem o ser humano de realizar o seu potencial criativo. Níveis mais avançados de aprofundamento. Conhecimento para a mestria interior do ser. Corresponde a Terapeuta de Reiki). Shinpiden (ensinamentos mais focados no campo espiritual. Conhecimento para a mestria do Reiki e as iniciações. Corresponde ao grau de Mestre de Reiki). Algumas escolas de Reiki afirmam que ministram o “ensinamento original” e desprezam todos os outros. A verdade é que não existe um ensinamento original. O Reiki está vivo e, portanto, está sempre em mutação, sempre fluindo e se expandindo. O Reiki e o dogmatismo não se misturam.

 

5.1.22 TERAPEUTA HOLISTICO, em geral procede ao estudo e à análise do paciente, realizados sempre sob uma base holística mais ampla, cuja abordagem leva em consideração o aspeto físico, mental e energético. Faz uso da somatória das mais diversas técnicas, pois cada caso é considerado único e deve-se dispor dos mais variados métodos, para possibilitar a opção por aqueles com os quais o paciente tenha maior afinidade. Promove a otimização da qualidade de vida, estabelecendo um processo interativo com seu paciente, levando este ao autoconhecimento e a mudanças em várias áreas. Avalia os desequilíbrios energéticos, as suas predisposições e possíveis consequências, além de promover a canalização energética de forma a repor a tendência natural ao autoequilíbrio, facilitando-a pela aplicação de uma somatória de terapêuticas de abordagem alternativa.

 

5.1.23 LINHA DA HARA OU KUNDALINI, é uma forma de energização, um renascimento, um novo começo, uma ferramenta que possibilita prosperidade, saúde, felicidade, abundância e amor nessa existência. A razão de se fazer esses exercícios é aumentar a capacidade do corpo para receber e canalizar o Ki. Exige-se uma quantidade muito maior de energia para realizar iniciações em Reiki, e esses exercícios são uma preparação para isso. 

Com o grau de Reiki II o agente de cura começa a manipular essa energia, aumentando no seu corpo a capacidade para canaliza-la e segurá-la. Quando o Terapeuta de Reiki se torna experiente com os níveis de energia do segundo grau, ele atingiu um bom patamar na sua capacidade de trabalho, usando essa energia. Consciente ou não os seus canais de energia estão abertos e fluindo enquanto cura, e uma quantidade enorme de Ki fluí através dela. Esses exercícios também ajudam no desenvolvimento da espiritualidade, por tornarem as pessoas mais saudáveis. Muitos curadores acreditam, que uma pessoa que usa drogas nunca poderá ser um canal completamente puro para o Reiki, assim como alguém que abusa de bebidas alcoólicas. Se deseja parar de fumar ou eliminar os vícios do álcool ou de drogas, a linha da Hara é um instrumento eficaz de auto cura. Lembre-se de que, como um praticante do Reiki, você é um canal sagrado para a força vital da energia do Universo. 

 

5.1.24 KARMA OU CARMA, é o resultado direto de decisões que tomamos no passado. Esta filosofia muito referenciada por uns poucos especialistas, e razoavelmente mal interpretada pelos leigos em geral. Em sânscrito, uma língua ancestral já extinta -, Karma queria dizer "ação: ou, por extenso, "tudo o que nos acontece é o resultado de algo que fizemos". O nosso Karma, então, não é um aleatório jogo de sorte e azar; é uma simples questão de causa e efeito. Tudo o que está acontecendo agora é o resultado direto de decisões que tomamos no passado, mesmo que não nos lembremos delas, ou que, na época, as tenhamos considerado irrelevantes. O assunto do karma é básico para todos nós e esta doutrina, primeiramente esclarecida pela filosofia hindu e budista, é o segredo para solucionar muitos mistérios aparentes. Somente através da compreensão do karma, sem ser precisa uma visão teísta pessoal de um deus, é que conseguimos começar a perceber o sentido. 

O karma não trata da sorte, fatalismo ou destino; nada é pré-determinado quase tudo é um acontecimento sequencial emergindo logicamente de antecedentes. O karma é uma maneira de encarar a existência que traz harmonia tanto no fatalismo como ao livre arbítrio, resultando num aumento de saúde mental e responsabilidade própria. O karma não tem nada a ver com os conceitos de julgamento de Deus, castigo, dor ou condenação. O karma se quiserem é o equivalente psíquico da teoria de Newton de ação e reação. Na essência o karma é o princípio de que, para toda a alteração do complexo corpo-mente, e para cada ação no mundo exterior haverá, inevitavelmente uma consequência.

 

5.1.25 OS 5 PRINCIPIOS DO REIKI, são os aspetos mais importantes da prática do Reiki no Japão e são ainda vistos, hoje em dia, como a peça principal do Reiki na tradição Japonesa. Estes princípios são dados aos alunos juntamente com a formação de forma a curar o aspeto mental, e espiritual antes do corpo poder ser curado com sucesso. Na cultura Japonesa era e ainda é comum ter uma base ética para uma tradição espiritual. Nas artes marciais e outras artes tradicionais do Japão são dados aos alunos tópicos, para que ele possa levar uma vida de felicidade. E era isto que o Sensei Usui pensava do Reiki. 

 

Ele chamava-lhe “A arte secreta de convidar a felicidade – o medicamento espiritual para todas as doenças” (do corpo, mente e espírito).

 

“Kyo dake wa” a tradução da primeira frase significa “só por hoje” ou “só hoje”;

“Ikaru na” significa não te zangues;

“Shinpai suna” significa não te preocupares;

“Kansha shite” significa sê grato;

“Goo o hage me” significa trabalha muito ou faz os teus deveres;

“Hito ni shinsetsu ni” nas palavras do Sensei Usui: “Quando encontrares a felicidade (vivendo os Princípios do Reiki), a tua mente torna-se como Buddha e com este espírito, tocas o espírito do outro, transformando-o.

 

No Reiki Essencial passado pela Mestre Diane Stein os princípios do Reiki traduzidos por ela, são na sua base transmitidos da seguinte forma:

 

Só por hoje, eu não me aborreço;

Só por hoje, eu não me preocupo;

Só por hoje, eu agradeço pelas minhas várias bênçãos;

Só por hoje, eu trabalharei honestamente;

Só por hoje, eu serei bondoso para com o meu próximo, e para com todos os seres vivos.

 

6. ANEXOS INFORMATIVOS

Textos e definições retirados dos seguintes livros:

 

1) “Reiki Essencial o Manual dos Mestres” dos autores Sérgio Silveira e Conceição Pereira

2) “Reiki Essencial O Manual Completo de Cura do Reiki” da autora Diane Stein.

 

 
 
 

Comentários   

0 #1 André Simões 27-08-2015 18:20
Li com toda atenção este texto e fiquei a saber muitas definições desta terapia complementar. Um belo texto de apoio.
Citar

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Categoria: